Sala Região

A individualidade da terra transmontana possui raízes seculares. O espólio reunido nesta sala traduz essa riqueza e diversidade, ligando o Museu à região, às suas raízes históricas, aos usos e costumes das suas gentes.

A preocupação régia dispensada ao desenvolvimento político, administrativo e económico evidencia-se nas cartas de foral, nas imagens dos pelourinhos, na importante Bula Papal da Fundação da Sé de Miranda (1545) e nas medidas padrão para sólidos e líquidos.

A própria tradição de autonomia local revela-se nas varas dos vereadores da Câmara, símbolos da aplicação da Justiça.

A identidade cultural que daqui nasceu traduz-se nas artes tradicionais e nos hábitos de uma diferente forma de vida: os artífices do ferro prolongam tradições seculares nos seus trabalhos, como se denota no trasfogueiro, enquanto os pintores fixam as imagens da vivência quotidiana.